Auditoria Operacional do TCM-PA identifica problemas nas escolas e emitirá recomendações para resolvê-los

Versão para impressão

Das 14 escolas municipais que o Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Pará (TCM-PA) incluiu no programa “TCM-PA nas Escolas”, nove já foram visitadas. Nesta semana, o Tribunal realizou os trabalhos de Auditoria Operacional em cinco escolas. Foram visitados os seguintes estabelecimentos de ensino: Escola Municipal Helder Fialho Dias, no Distrito de Outeiro, no dia 06/11; a Escola Municipal Palmira Lins, no bairro da Marambaia, no dia 07/11; a Escola Municipal Madalena Raad, no Tapanã, e a Escola Municipal Gabriel Lage da Silva, no Tapanã, no dia 08/11; e a Escola Municipal Amália Paumgartten, nesta quinta-feira, dia 09/11.

Em todas as escolas, as equipes do Tribunal, formadas por técnicos lotados no Núcleo de Auditoria Operacional (NAOP), Núcleo de Fiscalização de Obras Públicas (NUFOP), Controladorias, Diretoria de Gestão de Pessoas (DGP) e acompanhadas por conselheiros, foram bem recebidas. Diretores, professores, servidores e alunos do 6º ao 9º ano estão apoiando o projeto, que visa identificar problemas, propor e cobrar soluções que melhorem a estrutura de aprendizagem e qualidade de ensino.

Os relatos dos personagens alvos da auditoria operacional nas escolas são semelhantes e vão desde a falta de segurança e deficiências em relação à merenda, limpeza, iluminação, climatização, lotação de salas, material didático, mobiliário e disponibilidade de professores, entre outros aspectos.

 

INSEGURANÇA

Rosanny Lima, diretora da Escola Gabriel Lage da Silva, comentou que são inúmeras as dificuldades enfrentadas para oferecer uma educação de boa qualidade e evitar que haja evasão escolar. Um dos problemas mais graves relatados por ela diz respeito ao alto índice de criminalidade na área onde a escola funciona. Recentemente a escola foi assaltada. Os ladrões levaram todos os computadores (cerca de 15) do Laboratório de Informática.

Ana Cláudia Borba Pinheiro da Silva, diretora da Escola Municipal Amália Paumgartten, relatou que, sem dúvida, a questão da violência e do tráfico de drogas são graves entraves ao pleno desenvolvimento da educação. Segundo ela, no ano passado e este ano ocorreram dois assassinatos praticamente na frente da escola, o que faz com que os alunos não tenham tranquilidade para estudar. “Às vezes, quando vamos atrás da família de um aluno que que está ausente há alguns dias, descobrimos que a família se mudou do bairro devido a ameaças de morte”, comentou.

 

COLABORAÇÃO

A analista de Controle Externo Elisa Resque, do NAOP, esclareceu que o Tribunal estava ali para ajudá-los, mas que precisava da colaboração de todos, alunos, pais e professores, para traçar um diagnóstico do que precisa ser corrigido.

O analista de Controle Externo Everaldo Lino, da 1ª Controladoria, ao fazer palestra para os alunos, disse que o Tribunal está fazendo o acompanhamento das escolas, de forma direta e constante, com emissão de diagnóstico e recomendações técnicas, propiciando aos gestores ações imediatas, de forma a solucionarem com rapidez os problemas constatados, de forma a proporcionar aos estudantes uma melhor estrutura de aprendizagem e qualidade de ensino.

O presidente do TCM-PA, conselheiro Daniel Lavareda, que tem acompanhado algumas visitas às escolas, está entusiasmado com o projeto e os resultados positivos que já estão acontecendo e os que serão produzidos a curto e médio prazos.

 

Confira aqui a galeria de imagens do "TCM-PA nas escolas"